DISTÚRBIO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL - DPAC

 

 

Em primeiro lugar convido vocês a refletirem sobre o conceito da palavra PROCESSAMENTO. O que é processar alguma coisa? Muitas vezes usamos essa palavra para expressar a necessidade que temos de ter um tempo para entender alguma coisa, aceitar algum acontecimento etc. Pois é! Esse é exatamente o sentido.

 

Imagine a sua tv conectada a um home theater por meio de um cabo. A tv é o ouvido. O cabo é o Sistema Auditivo Central (SAC) que vai conduzir o som da tv ao home theater. O home theater é o cérebro.

Agora imagine uma falha, uma interferência nesse cabo, impedindo que o som chegue claramente ao home theater. É assim que o Distúrbio do Processamento Auditivo Central acontece: não é o ouvido (tv) e nem o cérebro (home theater) que vão caracterizar o DPAC, mas a falha no cabo (SAC), que dificulta as informações que se ouve de chegarem ao cérebro com clareza.

Então, não adianta o “ouvir” e o cérebro estarem em perfeito funcionamento se o que leva as informações de um para o outro estiver com defeito.

 

O QUE É

O Distúrbio do Processamento Auditivo Central, portanto, é uma falha no Sistema Nervoso Central (SNC) que dificulta o indivíduo a entender, armazenar e se localizar perante os sons. A deficiência, então, é neurológica, dificultando a compreensão das informações.

É importante ressaltar que a alteração do processamento auditivo pode ocorrer tanto em pessoas com audição normal ou tanto quanto em pessoas com perda auditiva. Ou seja: uma coisa não depende da outra.

 

COMPROMETIMENTOS

Quem tem o DPAC está sujeito a:

  • Maiores dificuldades em ambientes com barulhos e ruídos: isso lhe exige muito esforço atencional.
  • Não identificar de onde vem os sons.
  • Dificuldade em seguir instruções devido à compreensão delas.
  • Dificuldade em entender entonação, ritmo e ênfase.
  • Esforço em se manter concentrado.
  • Problema na leitura, na escrita e na linguagem: contar uma história pode ser desafiador.

 

SINTOMAS

Tais comprometimentos fazem com que os portadores do DPAC passem a apresentar uma sintomatologia própria devido exatamente a esses prejuízos:

  • É distraído/desatento.
  • Demora a escutar e/ou entender quando chamada sua atenção.
  • Fala muito “hã”, “o quê?” ou “não entendi” ou até se mantém em silêncio com medo de se expor.
  • Possui dificuldade para lembrar o que foi dito ou parece ter problemas de memória.
  • Tem fala diferente de outras crianças da mesma idade.
  • Tem dificuldade para entender o que está sendo falado quando em ambientes ruidosos ou com muitas pessoas falando ao mesmo tempo.
  • Há cansaço ou atenção curta para sons em geral devido ao esforço cerebral.
  • Deixa o volume da televisão muito alto.
  • Apresenta dificuldade de localizar o som.
  • Apresenta dificuldades em seguir orientações ou sequência de tarefas que lhe foi falada (confundido com desorganizado).
  • Tem dificuldade em contar um fato ou história e transmitir recados.
  • Tem dificuldades em entender piadas ou duplo sentido, mantém-se ao concreto pelo desafio de abstrair os sentidos concretos.