Nossa Querida Língua Portuguesa

 

LÍNGUA PORTUGUESA

Olavo Bilac

 

Última flor do lácio, inculta e bela


És, a um tempo, esplendor e sepultura


Ouro nativo, que na ganga impura


A bruta mina entre os cascalhos vela

 

Amo-te assim, desconhecida e obscura


Tuba de alto clangor, lira singela


Que tens o trom e o silvo da procela


E o arrolo da saudade e da ternura

 

Amo o teu viço agreste e o teu aroma


De virgens selvas e de oceano largo


Amo-te, ó rude e doloroso idioma

 

Em que da voz materna ouvi: "meu filho"


E em que camões chorou, no exílio amargo


O gênio sem ventura e o amor sem brilho

 

 

Você conhece este poema?

Conhece Olavo Bilac?

 

O poema remete parnasiana à origem da Língua Portuguesa, a que se refere como última flor do lácio por ser a última língua derivada do Latim.

 

Assim como toda Língua, por ser viva e passar por constantes modificações, o Latim passou do Clássico ao Vulgar no decorrer dos tempos. Embora fosse própria dos altos comandos militares, nobres, gestores religiosos era também "língua dos soldados, dos mercadores e negociantes, dos mais humildes trabalhadores das terras e inclusive da imensa gente escrava (povos vencidos nas batalhas e trazidos a Roma para servir) e acabou se convertendo no que se denominou Latim Vulgar", como pode ser visto integralmente no site a seguir: https://www.migalhas.com.br/depeso/346858/ultima-flor-do-lacio

 

A mistura do Latim Vulgar com outras Línguas acabou acontecendo pela Europa por meio das colonizações e eis que surge a sonora, "inculta e bela" última flor do lácio: nossa Língua Portuguesa.

 

Olavo Bilac: nascido no Rio de Janeiro em 16 de dezembro de 1865, Olavo Bilac foi poeta, jornalista, inspetor de ensino e um dos maiores representates do Parnasianismo brasileiro ao lado dos tão típicos poetas da época Alberto de Oliveira e Raimundo Correia. Em 28 de dezembro de 1918 faleceu na própria Rio de Janeiro após ter sido, mais que poeta, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, tendo ocupado a cadeira nº 15 cujo patrono é Gonçalves Dias.

 

REFERÊNCIAS

Última Flor do Lácio (migalhas.com.br)

Olavo Bilac | Academia Brasileira de Letras

 

 

NÃO PASSE APERTO!

 

Interpretação Textual

 

Questão de Fonética

 

Questão de Fonética - Duda Viu...

Vírgula não é respirar - Duda Viu...

COM é segurar vela - Duda Viu...

Gosto DE, não QUE - Duda Viu...

Etc. é uma abreviação